quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

CINQUENTA POEMAS TIRADOS AO AMOR DOS OUTROS: TENTATIVA NÚMERO UM:


amor é fogo que arde sem se ver, digo-o pela boca que já não te beija, que consente o silêncio e tira do coração xistoso uma combustão lenta, deixando durar o pouco que já não se vive, digo-o no redemoinho atrasado das mãos, pondo fósforos apagados onde antes havia um movimento que te percorria, amor é fogo que arde sem se ver, porque já não me escutas, se do alto do inverno, me ponho à tua frente, como uma casa aberta, onde a lareira explica a função da poesia.

1 comentário: