quarta-feira, 29 de outubro de 2014

com sigmar polke e a bruma atlântica



a noite enterrando-se no fundo da cama do outono, a bruma desse silêncio escondendo a pouca alegria que restou do verão, os frutos mais raros, a água crescendo, as mãos perdendo o sentido da poesia, no entanto, uma escotilha por abrir, a possibilidade de ver de novo o dia, um cântico enumerando as maravilhas do mundo.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

a solidão acompanhada


a solidão começa quando acabamos de comer a sopa, antes ainda dávamos as mãos sobresselentes, debaixo da mesa, agora as mãos estão ocupadas a abrir janelas, a ver o que os outros acabaram de comer, no outro lado do mundo, que nem importa se é atrás de nós. a solidão é estarmos acompanhados, cada um na sua desatenção preferida, a esquecer a arte de convencer o outro, que somos únicos e temos o poder de salvar um minuto, o tempo que podia ser eterno, se a palavra perfeita dissesse o que era preciso, que vale a pena erguer os olhos e espreitar por cima do esquecimento, o papel de parede, o candeeiro, a teia de aranha inofensiva, a minha ruga recente. a solidão é eu deixar de me importar contigo, e esperar que o percebas, ao meu lado, lendo o poema que publiquei agora mesmo, às escondidas, para não dizeres que te ignoro, também, enquanto esperas pelo prato principal.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

poema com Carolyn Honke e Sigmar Polke,



Happy Birthday, dear Carolyn,

fazeres anos é acrescentar alegria a este mundo, pôr um pouco mais de água nas flores, que vão contando como tratas bem das pequenas coisas, que valem a pena.


Yours, Daniel.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

o copista



copio atentamente todos os teus movimentos, o modo como existes dentro de mim, o modo como sais para o mundo, pondo alegria onde antes havia apenas um lugar à espera de acontecer.

arte perdida de subir às árvores



a arte perdida de subir às árvores tirou ao amor um lugar onde era possível adiar a maldade do mundo.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

ADC: anotada e comentada / The Lost Art Of Conversation



se não falares, como irás mostrar a cor impossível das tuas rosas? se não falares, como iremos encontrar o caminho de volta para a música?