sábado, 31 de maio de 2014

à porta:



à tua porta, espreito a entrada mais estreita, a frincha torta, a sombra desfeita. à tua porta, endireito o meu coração, reciclo o papel perfeito, retomo o refrão e reabito o meu peito.

Sem comentários:

Enviar um comentário