quarta-feira, 17 de abril de 2013

# 27







não me lembro de metade das coisas que vivi

parece que não fui ou que me adiei até agora



olho para as velas no bolo de aniversário

e só penso no tempo que me faz falta



o tempo que foi igualzinho àquele que na tua mão

se gasta a contar conchas na praia



podias ficar a vida toda a contar conchas

que nunca ias perceber quantas há

ou pior

que nem todas as conchas do mundo te fariam um homem rico

se a riqueza afinal vem de percebermos que não vale a pena contar nada



nem moedas nem oliveiras

nem pontes nem sapatos

nem sequer rebuçados grandes ou pequenos



quem sabe algumas nuvens

daquelas que passam depressa (e mesmo assim

nunca poderias contar a chuva

se a houvesse)



que um homem rico é aquele que ainda pode soprar velas

no dia do seu aniversário

(e no soprar velas temos a certeza

do amor ainda ser possível)



olha, não me lembro de metade das coisas que vivi

se calhar passaram precisamente por causa disso

de não as ter vivido



mas não me esqueço que fui pequeno

e que cabia no colo da minha avó e da minha mãe

e da cadela quando se desenrolava no jardim



não me esqueço que trepava às árvores

e voava com os ninhos que metia ao bolso



não me esqueço que dei importância os livros

que antes me cansavam



não me esqueço que tirei do mais fundo de mim

a ideia daquilo que tu és hoje



o meu espelho que se repete

a pensar no tempo

e a soprar comigo estas velas



sem perceber os meus três segundos de silêncio

a pensar que estou a pedir um desejo fabuloso

como um brinquedo cheio de luzes e serpentinas e música



quando os meus três segundos serviram

para este poema dizer que ia aparecer assim de repente

e que tu és afinal o meu maior desejo

Sem comentários:

Enviar um comentário