domingo, 7 de abril de 2013

# 19



nenhuma palavra, nenhum deserto, nenhuma estrela. apenas a respiração, o eco dentro do búzio, a maré descendo e a maré subindo. até ser tempo de morrer, como qualquer outra trepadeira.

Sem comentários:

Enviar um comentário