sexta-feira, 22 de março de 2013

# 3




onde estás que te espero
há tanto tempo

preciso das tuas
mãos videntes

do teu nome
entrançado

onde estás que me
perco na chuva

como um baloiço
sem infância

como um poema
desancorado

desviando-se da
luz




Sem comentários:

Enviar um comentário