domingo, 9 de dezembro de 2012

requiem para álvaro de campos



o meu coração parou para sentir. despejou-se das palavras e atirou-se ao chão. agora é um saco vazio circulando com a luz adormecida, revirando as promessas, entupindo o esgoto.

Sem comentários:

Enviar um comentário