segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

hera, um nome, subindo:



como quem na noite procura a entrada da manhã e fica à espera, vou à tua procura. quieto como um candeeiro enterrado há milénios na praça, avariado, como um gato sem preguiça. é da tristeza de não lembrar ao certo o teu rosto, cores de água a confundir o silêncio, o teu nome não, que ele é feito daquelas heras que vão subindo pelas paredes, iludindo a cal desbotada com um rumor de primavera alada.

Sem comentários:

Enviar um comentário