segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

águas de dezembro: bossa nova contida



é um vento desperto, a porta tremeluzindo, o esplendor da manhã. é um pouco de chuva, laranjas espreitando, na tarde recuada. é uma estrela na asa do poema, o presépio contando as promessas, o frio chegando. é um aloé boquiaberto, coração de fogo descalço, à espera de cantar. e é o tempo minguando, a vida pedindo, para ficar.

1 comentário:

  1. é a admiração imensa por tanto talento. é a alma consolada de tanta beleza. é o coração arritmado com tanta emoção. é um comentário sentido, sem contenção.

    ResponderEliminar