terça-feira, 27 de novembro de 2012

a casa entornada




a casa entornada como um dia triste onde a manhã se atrasou para o trabalho. e nos destroços do silêncio o meu corpo que também não acorda. e depois tudo que se atrasa. a luz que não regressa. as portadas vedadas aos gatos. um poema amarelecendo com o bolor fino da tristeza.


Sem comentários:

Enviar um comentário