sexta-feira, 30 de novembro de 2012

a queda



subo pela sombra do meu outono como uma árvore sem palavras. uma escada com folhas caindo pelos degraus do silêncio. e ao meu lado, os pássaros possíveis. medindo e prevendo a minha queda.

come fly with me (primeiro ensaio)



voa comigo. a varanda é grande e o salto pequeno. alguém nos há-de chamar se faltarmos ao almoço.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

a ilha dentro do mar




a ilha dentro do mar é um búzio que parou para se esquecer. mas a rebentação acumulada não deixa adormecer. nem o fogo dos aloés. nem o peso das nuvens. nem o bater do coração.

a bainha dos dias



a bainha dos dias vai-se descendo e subindo e conforme tu caias ou voes ela vai acordando ou sonhando. o poema que aqui vês está sempre à espera do teu movimento.

hoje é outro dia



hoje é outro dia. com sorte, alguns dos doces que guardaste, ainda estão frescos.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

amanhã é outro dia (com álvaro de campos)



podes repousar, chegaste a casa, tens a tua sombra à tua espera, que mais ninguém há-de falar contigo. como o outro, caíste pelas escadas como um vaso vazio, partiste-te em tantos cacos que nem um presta para lembrar o que eras. podes repousar, que é como quem diz, respirar fundo, chorar um pouco, aliviar o peso da tristeza. amanhã é outro dia.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

a casa entornada




a casa entornada como um dia triste onde a manhã se atrasou para o trabalho. e nos destroços do silêncio o meu corpo que também não acorda. e depois tudo que se atrasa. a luz que não regressa. as portadas vedadas aos gatos. um poema amarelecendo com o bolor fino da tristeza.


sábado, 24 de novembro de 2012

TEORIA GERAL DO AMOR

Este livro começou numa manhã passada no Leopold Museum, em Viena, no mês de Setembro. Sabia, perfeitamente, que o estertor perante a arte de Egon Schiele me ia mudar para sempre. Neste blogue fui publicando alguns dos textos e agora deixo-vos um link para descarregarem o livro em formato PDF. A edição em papel será de 12 exemplares apenas, muito limitada, portanto, e de autor. Ao fazer o download, se achar que o livro merece um apoio, pode fazê-lo para o NIB 0038 0000 96226725 301 45: o autor agradece.




Observações: na página da google drive aparece o PDF para visualização num formato com menos qualidade, mas o ficheiro para download tem qualidade máxima, basta aceder ao menu file/ficheiro.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

sábado, 3 de novembro de 2012




tu cabes no meu coração
porque és uma árvore
que descende da água

da cidade que flutua na noite acordada
da chuva que acende a praça

tu cabes no meu coração
porque iluminas o silêncio
com a música da tua manhã

e a tua tristeza na minha tristeza
faz uma roseira crescer
como uma criança feliz

tu cabes no meu coração
porque és um barco que flutua
carregando o peso do tempo

e a tua eternidade dá-me asas
e um poema para eu te chamar
cada vez que o amor regressa





a teoria geral do amor
pode resumir-se a isto

não há coração
que não pense

por que razão
o amor é assim

às vezes cardo
às vezes jasmim


sexta-feira, 2 de novembro de 2012



os amantes são seres
voláteis

o desejo desliga as arestas
do corpo

amplia as asas interiores
e acelera o coração

para que ele deslize
para dentro do poema

que sempre sobra
depois do amor


quinta-feira, 1 de novembro de 2012



a casa cresceu
quando todos foram
embora

ficaram os livros
o trampolim do
coração

a janela suspeitando
da hora

os relógios parados
como uma perpétua
oração









embora o dia esteja aqui
como um girassol
deslumbrado

não acordei ainda
para a contínua novidade
das coisas

falta-me cortar os pulsos
que me prendem
ao coração da noite

a estrela onde ficaste
como uma promessa
que inventa a eternidade

e que tu não sabes
se permanece original
ou te engana o amor