domingo, 28 de outubro de 2012



sempre que pouso o teu nome
levito

ergo-me depois do fulgor
das nuvens

e desapareço

Sem comentários:

Enviar um comentário