sexta-feira, 27 de maio de 2011

AO FIM DA TARDE





Ao fim da tarde havíamos de regressar aos lugares que quisemos só nossos. Nós e as pequenas coisas que nos iluminavam. Nós e os nossos pequenos sonhos, tão pequenos que quem lá regressa agora sou eu apenas. Uma sombra dançante que se dilui na aguada do tempo.

Sem comentários:

Enviar um comentário